Como transformar convivência em relacionamento

Como transformar convivência em relacionamento

Recentemente eu publiquei os artigos 5 grandes benefícios em se expressar nos relacionamentos e 5 sinais de que seus relacionamentos correm perigo. Hoje vou compartilhar com você 5 dicas de como ter relacionamentos muito mais fortes e duradouros.

De fato muita gente apenas convive… convive no casamento, convive com os irmãos e parentes, convive com os amigos e colegas de trabalho, mas o que ganham convivendo? Nada ou muito pouco, mas se transformarem estas convivências em relacionamentos irão ganhar sinergia, felicidade e crescimentos de ambas as partes.

Então vamos para as 5 dicas de como transformar convivência em relacionamentos.

1- Preste atenção

Esta é a regra numero 1 que ensino em todos os cursos ou palestras que falo sobre relacionamento. Serve para relacionamentos conjugais, familiares, sociais e profissionais.

Preste atenção nas outras pessoas, observe os detalhes, os gostos, quais suas verdadeiras necessidades e por que ela age como age. Faça-se estas perguntas:

  • Se você tivesse que comprar uma janta para seu cônjuge, você saberia exatamente qual ele ou ela gostaria?
  • Se você fosse comprar um presente para seus pais, saberia comprar algo que eles realmente gostassem de ganhar?
  • Quantas pessoas moram com seus colegas de trabalho?
  • Você atende clientes? O que você sabe sobre a forma de pensar deles além do trabalho?

Essas perguntas são bem genéricas, mas você pode adaptá-las para sua realidade e se perguntar: “eu estou prestando atenção nas outras pessoas?”.

2- Entenda o ser-humano

Outra coisa que eu sempre ensino para meus alunos é que existem características universais que todos nós, seres-humanos, compartilhamos e quanto se trata de comportamento a mais forte característica universal é nossa busca pela felicidade. Todas as nossas ações, fazemos acreditando que assim seremos mais felizes.

Sabendo disso tudo muda, percebemos que, por mais que alguém possa agir de má fé, ainda assim em primeiro lugar ela está apenas buscando ser mais feliz, exatamente o que eu faço e você também faz.

Isso não faz com que todo mundo seja bonzinho e justo, mas nos ajuda a entender melhor as pessoas e até mesmo a exercermos a inteligência emocional que é saber se colocar no lugar do outro.

3- Abrir mão

É necessário saber reconhecer alguns erros ou, as vezes, mesmo sem concordar que está você errado, abrir mão de algumas coisas para criar uma harmonia. Isso é especialmente difícil para pessoas teimosas ou intransigentes.

Quer saber se você se enquadra nestes casos? Então se pergunte: “quais as últimas 3 vezes que você abriu mão, por vontade própria, de algo pelo bem de algum relacionamento?”.

Treine ser mais “dócil” em seus relacionamentos, ser uma pessoa da qual os outros gostam de conviver.

4- Não abrir mão

Por outro lado existem pessoas que são muito introvertida e que cedem a todas as vontades das outras pessoas. Saiba também quando é hora de você manter-se firme e bater o pé para que a outra pessoa também treine o “abrir-mão” dela.

Quão saudável é um relacionamento em que apenas uma das partes cede?

Gosto de usar o exemplo da humildade. Muita gente usa o termo “humilde” para se referir a alguém em situação de pobreza, mas o verdadeiro sentido da palavra humildade é “reconhecer a verdade sobre si mesmo e sobre os outros“. Em outras palavras é saber que não sou tão poderoso e importante para querer sobrepor os outros e também que não sou tão pequeno e incompetente que deva ceder a vontade de todos.

5- Faça algo diferente

Você sabe o que significa a palavra medíocre? Significa estar na média.

Não seja medíocre em seus relacionamentos! Ou seja: não contente-se com pouco, queira crescer e fortalecer seus laços com as pessoas.

De vez em quando colha uma flor para sua esposa, leve um bombom para seu colega de trabalho ou convide um amigo para fazer algo que não fazem a muito tempo.

 

Estas 5 dicas podem transformar seu convívio com outras pessoas em relacionamentos fortes que te farão evoluir mentalmente e espiritualmente. Que tal compartilhar abaixo o que você achou deste texto?

Compartilhe este conteúdo: